sexta-feira, 10 de agosto de 2007

vidas

Será que o sol nasce todos os dias por entre as montanhas que protegem a aldeia que é a vida de varias gerações? Vejo pessoas que desandam por entre ruas estreitas e se tocam ocasionalmente, cheiros que se cruzam e se misturam, olhares que se perdem no tempo e na imaginação, vejo o passado o presente e o que será o futuro destes seres que se tocam ocasionalmente por entre ruas estreitas.Sol que aquece montes e vales, faz transpirar as suas roupas pesadas que escondem corpos de peles usadas sedentes de serem exibidas para olhos calmos e tocadas por dedos sedosos. Vejo ruas desgastas, pisadas por pés descalços cansados de caminhar sobre um chão duro que por vezes faz doer até o próprio rosto, vejo ainda ruas de paredes tortas feitas por mãos calejadas por palavras frias ditas em dias escaldantes. Será que o sol nasce todos os dias por entre as montanhas que protegem a aldeia de ruas estreitas onde pessoas se tocam ocasionalmente?

Um comentário:

Joao disse...

com o blog aberto, já podes mostrar teu lindos poemas ás pessoas que antes não tinham oportunidade de os ler...muito bonito este, sem duvida..és uma grande escritora. beijos fofos.